Política de privacidade

Conva | Política de privacidade

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS

Em conformidade com as disposições da legislação em vigor, a Conva (doravante também Website) compromete-se a adotar as medidas técnicas e organizacionais necessárias, de acordo com o nível de segurança adequado ao risco dos dados recolhidos.

Leis incorporadas na presente política de privacidade

A presente política de privacidade está adaptada à legislação espanhola e europeia em vigor em matéria de proteção de dados pessoais na Internet. Respeita, nomeadamente, as seguintes regras:

  • Regulamento (UE) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de abril de 2016, relativo à proteção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais e à livre circulação desses dados (RGPD).
  • Lei Orgânica 3/2018, de 5 de dezembro, sobre a Proteção de Dados Pessoais e Garantia dos Direitos Digitais (LOPD-GDD).
  • Real Decreto 1720/2007, de 21 de dezembro, pelo qual se aprova o Regulamento de desenvolvimento da Lei Orgânica 15/1999, de 13 de dezembro, de Proteção de Dados de Carácter Pessoal.
    (RDLOPD).
  • Lei 34/2002, de 11 de julho, sobre Serviços da Sociedade da Informação e Comércio Eletrónico (LSSI-CE).

Identidade do responsável pelo tratamento dos dados pessoais

A pessoa responsável pelo tratamento dos dados pessoais recolhidos em Conva é: Exclusivas Confort Valles SL, com o número de identificação fiscal: B-60534336 e registada em: Reg. Merc. de Barcelona com os seguintes dados de registo: Volume 27064, Fólio 209, Folha B-112806, cujo representante é: (doravante, Responsável pelo Tratamento). Os seus contactos são os seguintes:

Endereço: Avinguda de Gaudi, 57 – 61, 08191 Rubí, Barcelona
Telefone de contacto: 935873890
Correio eletrónico de contacto: conva@conva.es

Registo de dados pessoais

Em cumprimento do disposto no RGPD e na LOPD-GDD, informamos que os dados pessoais recolhidos pela Conva, através dos formulários disponibilizados nas suas páginas, serão incorporados e tratados no nosso ficheiro com a finalidade de facilitar, agilizar e cumprir os compromissos estabelecidos entre a Conva e o Utilizador ou a manutenção da relação estabelecida nos formulários preenchidos pelo Utilizador, ou para responder a um pedido ou consulta do Utilizador. Da mesma forma, de acordo com as disposições do RGPD e da LOPD-GDD, a menos que se aplique a exceção prevista no artigo 30.5 do RGPD, é mantido um registo das actividades de tratamento que especifica, de acordo com as suas finalidades, as actividades de tratamento realizadas e as outras circunstâncias estabelecidas no RGPD.

Princípios aplicáveis ao tratamento de dados pessoais

O tratamento dos dados pessoais do Utilizador estará sujeito aos seguintes princípios estabelecidos no artigo 5 do RGPD e no artigo 4 e seguintes da Lei Orgânica 3/2018, de 5 de dezembro, sobre a Proteção de Dados Pessoais e a garantia dos direitos digitais:

  • Princípio da legalidade, da equidade e da transparência: o consentimento do Utilizador é sempre exigido após informação completa e transparente sobre as finalidades para as quais os dados pessoais são recolhidos.
  • Princípio da limitação da finalidade: os dados pessoais serão recolhidos para fins específicos, explícitos e legítimos.
  • Princípio da minimização dos dados: os dados pessoais recolhidos serão apenas os estritamente necessários em relação às finalidades para as quais são tratados.
  • Princípio da exatidão: os dados pessoais devem ser exactos e estar sempre actualizados.
  • Princípio da limitação do período de conservação: os dados pessoais só serão conservados de uma forma que permita a identificação do Utilizador durante o tempo necessário para efeitos do seu tratamento.
  • Princípio da integridade e da confidencialidade: os dados pessoais devem ser tratados de forma a garantir a sua segurança e confidencialidade.
  • Princípio da responsabilidade pró-ativa: o responsável pelo tratamento é responsável por garantir o respeito dos princípios acima referidos.

Categorias de dados pessoais

As categorias de dados tratados pela Conva são apenas dados de identificação. Em caso algum são processadas categorias especiais de dados pessoais na aceção do artigo 9º do RGPD.

Base jurídica para o tratamento de dados pessoais

A base jurídica para o tratamento dos dados pessoais é o consentimento. A Conva compromete-se a obter o consentimento expresso e verificável do Utilizador para o tratamento dos seus dados pessoais para uma ou mais finalidades específicas.

O Utilizador tem o direito de retirar o seu consentimento em qualquer altura. Será tão fácil retirar o consentimento como dá-lo. Regra geral, a retirada do consentimento não deve condicionar a utilização dos dados
Sítio Web.

Nas ocasiões em que o Utilizador deva ou possa fornecer os seus dados através de formulários para realizar consultas, solicitar informações ou por motivos relacionados com o conteúdo do Sítio Web, será informado no caso de o preenchimento de algum deles ser obrigatório por ser imprescindível para o correto desenvolvimento da operação realizada.

Finalidades do tratamento para as quais os dados pessoais são utilizados

Os dados pessoais são recolhidos e geridos pela Conva para facilitar, acelerar e cumprir os compromissos estabelecidos entre o Website e o Utilizador ou para manter a relação entre o Website e o Utilizador.
é estabelecido nos formulários preenchidos por este último ou para tratar de um pedido ou inquérito.

Da mesma forma, os dados podem ser utilizados para fins comerciais, de personalização, operacionais e estatísticos, e para actividades relacionadas com o objeto social da Conva, bem como para a extração e armazenamento de dados e estudos de marketing para adaptar o Conteúdo oferecido ao Utilizador, bem como para melhorar a qualidade, o funcionamento e a navegação do Website.

No momento em que os dados pessoais são recolhidos, o Utilizador será informado sobre a(s) finalidade(s) específica(s) do tratamento para o qual os dados pessoais serão utilizados, ou seja, a(s) utilização(ões) a que os dados pessoais serão sujeitos.
às informações recolhidas.

Períodos de conservação dos dados pessoais

Os dados pessoais serão conservados apenas durante o período mínimo necessário para efeitos do seu tratamento e, em qualquer caso, apenas durante o seguinte período: 18 meses, ou até que o Utilizador
solicitar a sua supressão.

No momento da obtenção dos dados pessoais, o Utilizador será informado do período durante o qual os dados pessoais serão conservados ou, se tal não for possível, dos critérios utilizados para
determinar este prazo.

Destinatários dos dados pessoais

Os dados pessoais do Utilizador não serão partilhados com terceiros.
Em qualquer caso, no momento em que os dados pessoais são recolhidos, o Utilizador será informado sobre os destinatários ou categorias de destinatários dos dados pessoais.

Dados pessoais de menores

Em conformidade com as disposições dos artigos 8 do RGPD e 7 da Lei Orgânica 3/2018, de 5 de dezembro, relativa à proteção dos dados pessoais e à garantia dos direitos digitais, apenas as pessoas com mais de 14 anos podem dar o seu consentimento para o tratamento dos seus dados pessoais de forma lícita pela Conva. No caso de uma criança com menos de 14 anos de idade, é necessário o consentimento dos pais ou tutores para o processamento, e o processamento só é legal na medida em que os pais ou tutores tenham dado o seu consentimento.

Sigilo e segurança dos dados pessoais

A Conva compromete-se a adotar as medidas técnicas e organizativas necessárias, de acordo com o nível de segurança adequado ao risco dos dados recolhidos, para garantir a segurança dos dados pessoais e evitar a destruição, perda ou alteração acidental ou ilícita dos dados pessoais transmitidos, conservados ou sujeitos a qualquer outro tipo de tratamento, bem como a comunicação ou o acesso não autorizado a esses dados.
dados.

No entanto, uma vez que a Conva não pode garantir a inexpugnabilidade da Internet ou a ausência total de hackers ou outros que acedam fraudulentamente a dados pessoais, o Controlador de Dados compromete-se a notificar o Utilizador sem demora injustificada quando ocorrer uma violação da segurança dos dados pessoais que seja suscetível de resultar num elevado risco para os direitos e liberdades das pessoas singulares. Nos termos do artigo 4.º do RGPD, entende-se por violação da segurança dos dados pessoais qualquer violação da segurança que provoque, de modo acidental ou ilícito, a destruição, a perda ou a alteração de dados pessoais transmitidos, conservados ou sujeitos a qualquer outro tipo de tratamento, bem como a divulgação ou o acesso não autorizados a esses dados.

Os dados pessoais serão tratados como confidenciais pelo responsável pelo tratamento de dados, que se compromete a informar e a garantir, por meio de uma obrigação legal ou contratual, que essa confidencialidade seja respeitada pelos seus funcionários, parceiros e qualquer outra pessoa a quem torne a informação acessível.

Direitos decorrentes do tratamento de dados pessoais

O Utilizador tem sobre a Conva e pode, portanto, exercer os seguintes direitos reconhecidos no RGPD e na Lei Orgânica 3/2018, de 5 de dezembro, sobre a Proteção de Dados Pessoais e a garantia dos direitos digitais contra o Controlador de Dados:

  • Direito de acesso: É o direito do Utilizador de obter a confirmação de que a Conva está ou não a tratar os seus dados pessoais e, em caso afirmativo, de obter informações sobre os seus dados pessoais específicos e sobre o tratamento que a Conva efectuou ou está a efetuar, bem como, entre outras coisas, as informações disponíveis sobre a origem desses dados e os destinatários das comunicações efectuadas ou previstas para esses dados.
  • Direito de retificação: Trata-se do direito do Utilizador a que os seus dados pessoais sejam alterados se se revelarem inexactos ou, tendo em conta as finalidades do tratamento, incompletos.
  • Direito de apagamento (“direito a ser esquecido”): É o direito do Utilizador, salvo disposição legal em contrário, de obter o apagamento dos dados pessoais quando estes deixarem de ser necessários para a finalidade que motivou a sua recolha ou tratamento; o Utilizador tiver retirado o seu consentimento para o tratamento e não existir outro fundamento jurídico para o mesmo; o Utilizador se opuser ao tratamento e não existir outro motivo legítimo para continuar o tratamento; os dados pessoais deixarem de ser necessários para a finalidade que motivou a sua recolha ou tratamento; o Utilizador tiver retirado o seu consentimento para o tratamento e não existir outro motivo legítimo para continuar o tratamento; os dados pessoais
    os dados pessoais foram tratados ilegalmente; os dados pessoais devem ser apagados em cumprimento de uma obrigação legal; ou os dados pessoais foram obtidos em resultado de uma oferta direta de serviços da sociedade da informação a uma criança com menos de 14 anos de idade. Para além do apagamento, o responsável pelo tratamento deve, tendo em conta a tecnologia disponível e os custos de aplicação, tomar medidas razoáveis para informar os responsáveis pelo tratamento dos dados pessoais do pedido da pessoa em causa de apagamento de qualquer ligação a esses dados pessoais.
  • Direito à limitação do tratamento: É o direito do Utilizador de limitar o tratamento dos seus dados pessoais. O Utilizador tem o direito de obter a limitação do tratamento se contestar a exatidão dos seus dados pessoais; se o tratamento for ilegal; se o Responsável pelo Tratamento já não precisar dos dados pessoais, mas o Utilizador precisar deles para apresentar reclamações; e se o Utilizador se tiver oposto ao tratamento.
  • Direito à portabilidade dos dados: Se o tratamento for efectuado por meios automatizados, o Utilizador tem o direito de receber do Responsável pelo Tratamento os seus dados pessoais num formato estruturado, de uso corrente e de leitura automática, e de os transmitir a outro Responsável pelo Tratamento.
    responsável pelo tratamento dos dados. Sempre que tecnicamente possível, o responsável pelo tratamento transmite os dados diretamente a esse outro responsável pelo tratamento.
  • Direito de oposição: Este é o direito do Utilizador de não ter os seus dados pessoais processados ou de fazer cessar o processamento desses dados pela Conva.
  • Direito de não ficar sujeito a uma decisão baseada unicamente no tratamento automatizado, incluindo a definição de perfis: Trata-se do direito do Utilizador de não ficar sujeito a uma decisão individualizada baseada unicamente no tratamento automatizado dos seus dados pessoais, incluindo a definição de perfis, salvo disposição legal em contrário.

Por conseguinte, o Utilizador pode exercer os seus direitos através de uma comunicação escrita dirigida ao Responsável pelo Tratamento de Dados com a referência “RGPD-https://www.conva.es/”, especificando:

  • Nome, apelido e cópia do bilhete de identidade do utilizador. Nos casos em que a representação é permitida, será também necessário identificar pelos mesmos meios a pessoa que representa o Utilizador, bem como o documento que acredita a representação. A fotocópia do bilhete de identidade pode ser substituída por qualquer outro meio de prova de identidade legalmente válido.
  • Pedido com razões específicas para o pedido ou para a informação a aceder.
  • Endereço para efeitos de notificação.
  • Data e assinatura do requerente.
  • Qualquer documento comprovativo do pedido que está a fazer.

A presente candidatura e os documentos que a acompanham podem ser enviados para o seguinte endereço e/ou endereço eletrónico
Endereço postal: Avinguda de Gaudi, 57 – 61, 08191 Rubí, Barcelona
Correio eletrónico: conva@conva.es

Ligações a sítios Web de terceiros

O Website pode incluir hiperligações ou links para websites de terceiros que não a Conva, que não são operados pela Conva. Os proprietários desses sítios Web terão as suas próprias políticas de proteção de dados, sendo eles próprios, em cada caso, responsáveis pelos seus próprios ficheiros e pelas suas próprias práticas de privacidade.

Queixas à autoridade de controlo

Caso o Utilizador considere que existe um problema ou uma violação da regulamentação em vigor na forma como os seus dados pessoais estão a ser tratados, terá direito a uma proteção judicial eficaz e a apresentar uma queixa a uma autoridade de controlo, nomeadamente no Estado em que tem a sua residência habitual, o seu local de trabalho ou o local da alegada violação. No caso de Espanha, a autoridade de controlo é a Agência Espanhola de Proteção de Dados (https://www.aepd.es/).

ACEITAÇÃO E ALTERAÇÕES À PRESENTE POLÍTICA DE PRIVACIDADE

É necessário que o Utilizador tenha lido e aceite as condições de proteção dos dados pessoais contidas na presente Política de Privacidade, bem como que aceite o tratamento dos seus dados pessoais.
dados pessoais para que o responsável pelo tratamento de dados os possa tratar da forma, durante os períodos e para os fins indicados. A utilização do sítio Web implica a aceitação da Política de Privacidade do sítio Web.

A Conva reserva-se o direito de modificar a sua Política de Privacidade, de acordo com os seus próprios critérios, ou motivada por uma alteração legislativa, jurisprudencial ou doutrinal da Agência Espanhola de Proteção de Dados.
Dados. As alterações ou actualizações da presente Política de Privacidade não serão explicitamente notificadas ao Utilizador. Recomenda-se ao Utilizador que consulte periodicamente esta página para se manter a par das últimas alterações ou actualizações.

A presente Política de Privacidade foi actualizada para se adaptar ao Regulamento (UE) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de abril de 2016, relativo à proteção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais e à livre circulação desses dados (RGPD) e à Lei Orgânica 3/2018, de 5 de dezembro, relativa à proteção dos dados pessoais e à garantia dos direitos digitais.

logo-mueble-de-españa

© Conva 2023

Seleccione la descripción de los campos
  • Imagen
  • SKU
  • Attributes
Click outside to hide the comparison bar
Comparar